> > > Novo Datacenter Brasil

Novo Datacenter Brasil

Novo Datacenter Brasil
No projeto do Datacenter Santander, as normas internacionais de segurança influenciaram na arquitetura do complexo, marcada por dois pavimentos semienterrados no solo Foto/Imagem:Leonardo Finotti

Segurança de dados

Mais que um simples projeto arquitetônico, o planejamento de um Datacenter exige, além de um ambiente de trabalho eficiente e confortável, estratégia e segurança para o banco de dados, cuja função é guardar a memória da instituição. Por isso o escritório Loeb Capote Arquitetura e Urbanismo, comandado pelos arquitetos Roberto Loeb e Luis Capote, criou soluções detalhadas, a começar pela distância exigida entre os Centros de Processamento de Dados do Datacenter do Banco Santander, localizado em Campinas, São Paulo, próximo à Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Em uma área de 700 mil m², as três unidades independentes e autônomas englobam os edifícios de As três unidades são independentes e autônomas, distantes meio quilômetro entre si. O motivo envolve a estratégia operacional e a segurança Roberto Loeb Logística (LOG) e do Núcleo de Operação e Controle (NOC), distantes meio quilômetro entre si, aproximadamente. “O motivo envolve a estratégia operacional e a segurança”, explica Roberto Loeb. As construções também comportam portarias, estação de ônibus, subestações, estacionamentos e bicicletário. Cada unidade tem cerca de 25 mil m², e todas estão distribuídas em três pavimentos.

À prova de umidade

O fato de dois blocos serem semienterrados – os pavimentos dos computadores e equipamentos auxiliares – tem a ver com as normas internacionais de segurança, que exigem o isolamento de paredes. A solução econômica, estratégica e sustentável evitou a escavação de 15 m, com relação ao terreno, por causa do risco de penetração de umidade. Os edifícios se sobressaem na paisagem de forma elevada, e isso só é possível porque durante o projeto de escavações optou-se pelo reaproveitamento da terra retirada durante as obras e recolocada após a conclusão das estruturas. A solução foi suficiente para enterrar os dois pavimentos inferiores. “Se a orientação inicial fosse seguida, estaríamos expostos a uma situação crítica, pois quanto mais profunda a escavação, maior é o risco de chegar ao lençol freático”, adverte Luis Capote.

Cada unidade tem cerca de 25 mil m², e todas estão distribuídas em três pavimentos Foto: Leonardo Finotti

Núcleo Operacional de Controle

O prédio do Núcleo Operacional de Controle (NOC), cujo trabalho é ininterrupto, está posicionado estrategicamente para o funcionamento do Datacenter, o que facilita o acesso operacional a todas as suas áreas. Nele encontram-se a recepção, as salas de trabalho e os serviços. Trata-se de uma construção esguia, fincada entre uma grande empena de concreto e um muro de pedra escalonado, que forma um jardim interno coberto por uma tela apoiada em estrutura metálica. A tela passa por cima do prédio de cobertura de telha metálica e termina na parede de concreto, sombreando toda a área. Esse fechamento assegura melhor condição climática aos escritórios e resulta em economia de energia. O espaço reservado ao café é uma espécie de terraço dentro do próprio NOC, ideal para o convívio dos funcionários e para refeições rápidas. O jardim é acessível pelas áreas de trabalho e protegido por sistemas de segurança de acesso.

Central de Operações

O segundo edifício está ligado a um jardim interno, coberto por um sistema alveolar de elementos de concreto, que permitem a passagem da luz do dia, filtrando a intensidade dos raios solares. O espelho d’água com cerca de 12 metros de largura e 80 metros de comprimento complementa o conjunto, que abriga a Central de Operações e as salas de apoio e logística do complexo. A função desse Command Center é supervisionar as operações do Datacenter. Para aproveitar ao máximo a incidência de luz solar foi utilizado o vidro no acabamento do prédio operacional. O material é dotado de tecnologia capaz de barrar o aquecimento interno, diminuindo o uso do ar-condicionado, da iluminação e o consumo de energia.

Cobertura plástica

A cobertura foge de soluções convencionais e segue a influência de mestres como Frank Lloyd Wright e Le Corbusier ao explorar a plasticidade do concreto. À distância – principalmente à noite quando as luzes instaladas no muro refletem o formato, semelhante a uma taça – é possível ver a laje maciça de concreto armado de 50 cm de espessura apoiada em colunas, algumas delas com descida de águas pluviais e desenho de mísulas.

Para favorecer a ventilação, a parede de concreto em volta deixa um vão superior de quatro metros para ventilação. Já o miolo metálico da cobertura é mais alto que a laje, o que garante a ventilação periférica com veneziana. Exaustores em forma de bicos de pato servem para a descarga dos ventiladores.

Novo Datacenter Brasil - Segurança de dados
O jardim é acessível pelas áreas de trabalho e protegido por sistemas de segurança de acesso Foto: Leonardo Finotti

Estrutura térrea

Equipamentos de ar-condicionado, escritórios, banheiros e salas de manutenção ocupam o Se a orientação inicial fosse seguida, estaríamos expostos a uma situação crítica, pois quanto mais profunda a escavação, maior é o risco de chegar ao lençol freático Luis Capote pavimento térreo, além de um mezanino próprio para manutenção dos equipamentos. As salas de TI e os computadores localizam-se no núcleo central dos dois subsolos, enquanto as extremidades abrigam as instalações elétricas.

Toda essa estrutura é ocupada por apenas cinco pessoas, enquanto os funcionários restantes estão locados no prédio do NOC. O acesso principal acontece através de um extenso pergolado com estrutura metálica e cobertura de vidro, que liga o portão principal ao interior de cada unidade.

Certificação Leed

Para obter a certificação Leed (Leadership in Energy and Environmental Design), concedida a construções sustentáveis pelo Green Building Council, o projeto incorpora uma série de soluções, tendo em vista a obtenção do certificado Gold. Há desde o paisagismo assinado por Paulo Paoliello – que recupera a massa vegetal ao plantar 20 mil mudas de árvores, dentre elas 160 espécies nativas como ipê amarelo, pau-brasil e frutíferas –, responsáveis por atrair diversos pássaros e manter a elevada permeabilidade do solo até o uso de energia natural.

Exemplo disso é a iluminação dos estacionamentos que será abastecida pela energia eólica e solar, gerando economia aproximada de 11.000 kWh/ano. O complexo também está apto a captar, armazenar e reaproveitar água de chuva e o espelho d'água que, além de decorativo, aumenta a umidade relativa do ar, refrescando o ambiente e proporcionando conforto. Com 300 mil m², o gramado equilibra o ecossistema.


Escritório

LoebCapote19 projeto(s)

Local: SP, Brasil
Início do projeto: 2009
Conclusão da obra: 2013
Área do terreno: 700.000
Área construída: 85.000

Tipologia:
Corporativo

Materiais predominantes:

Diferenciais técnicos:

Ambientes e Aplicações:

Slideshow Desenhos e plantas

Ficha Técnica

Exibir mais itens
novidades fechar
Receba o boletim da
Galeria da Arquitetura
veja um exemplo