> > > Teatro Porto Seguro

Teatro Porto Seguro

Teatro Porto Seguro
Com projeto do escritório AIC Arquitetura & Urbanismo, o Teatro Porto Seguro nasce como braço importante da restauração de região arquitetonicamente histórica, e proporciona eventos multiusos abertos ao público Foto/Imagem:Fernando Martinho

Cultura e revitalização

Se cada projeto de arquitetura carrega em si um significado particular, o Teatro Porto Seguro se traduz basicamente de duas formas: cultura e revitalização.

A origem dessa proposta nasce no complexo administrativo de uma empresa seguradora, com prédios existentes que precisariam se adaptar a uma nova realidade e emergir como braço de restauração de uma região urbana marcada por construções relevantes na capital paulista, como a Pinacoteca, a Sala São Paulo e outros edifícios tombados pelo Patrimônio Histórico e Arquitetônico.

"Normalmente se faz um projeto em um terreno, mas nesse caso havia um espaço disponível em meio as edificações da Porto Seguro. Tínhamos de 'encaixar' um partido nessa área com todo o programa de necessidades que um teatro de grande porte demanda. Afinal, aquela região necessitava e merecia uma obra desse porte, além do retorno interessante para a empresa, em vários aspectos", conta a arquiteta Ana Maria Ferreira Afonso, do escritório AIC Arquitetura & Urbanismo.

Foyer adaptado

Para fazer um teatro com instalações que atendessem a uma grande diversidade de usos e que provesse agilidade técnica para acompanhar a velocidade da agenda de programação, o primeiro passo foi intervir nas áreas de um dos edifícios existentes.

"O foyer, por exemplo, era o térreo do prédio corporativo, mas com pé-direito muito baixo. No entanto, com efeitos arquitetônicos foi possível ampliá-lo visualmente. Ele se integra à linguagem contemporânea do complexo a partir do vidro para o forro, quartzo para o piso e madeira nas paredes para ‘aquecer’ o ambiente. Já o subsolo, anteriormente destinado a um estacionamento, foi demolido e deu lugar a áreas técnicas do teatro, camarins e salas de suporte aos atores", detalha Ana.

Programa multiuso

Com o teatro como núcleo do projeto, os arquitetos buscaram elementos que atendessem premissas básicas de visibilidade, acústica e infraestrutura para espaços cênicos. Esses itens fazem parte da arquitetura e precisam ser explorados para potencializar a qualidade de um espetáculo.

Assim, o programa foi distribuído com bilheteria; foyer com café / bar; plateia para 508 lugares (dividido em plateia inferior, balcão e frisas); palco com quartelada e sob palco (totalizando 180 m² e 15 m de altura); fosso e elevador de orquestra; doca e elevador de carga; camarins (individuais, coletivo, adaptado e de palco); sala de ensaio e de figurinos; sala de estar e recepção para os artistas; sala de piano; enfermaria; administração e áreas técnicas diversas.

“Basicamente exploramos a madeira, pela qualidade de harmonia visual e por ser um material natural com grande qualidade acústica. Para complementar, foram utilizados o carpete para os pisos e a borracha para a plateia, com funções específicas”, ressalta Ana.

Acústica, cenotecnia e climatização

A arquiteta também explica que um dos grandes diferenciais técnicos foi a acústica binária, com um som que admite interação entre plateia e palco.

"Isso foi concebido a partir da forma / volume favorável do projeto da sala e, principalmente, pelos painéis de madeira em diferentes planos, com forros de desenho curvo que pegam a plateia e o balcão. Esse conjunto permitiu a perfeita distribuição do som direto, natural, sem ampliação ou por meio de alto-falante com microfone".

Outro destaque do projeto foi a automação da cenotecnia de última geração. No palco, por exemplo, há uma estrutura automatizada com 25 varas cênicas e cinco de iluminação.

Já do ponto de vista térmico deve-se ressaltar o ar condicionado do palco, que possui controle separado com relação ao da plateia, já que depende da preferência dos artistas acioná-lo.

“Todos os equipamentos de climatização estão sobre base anti-vibratória, em salas protegidas acusticamente, para não transmitirem ruído ou vibração para a caixa cênica. Assim como os dutos de ar, que também tiveram tratamento acústico para não produzir essa mesma interferência”, conclui a profissional.


Escritório

AIC Arquitetura e Urbanismo1 projeto(s)

Local: SP, Brasil
Início do projeto: 2013
Conclusão da obra: 2015
Área construída: 4.100

Tipo de obra:
Teatros

Materiais predominantes:

Diferenciais técnicos:

Slideshow

Ficha Técnica

Exibir mais itens

APROFUNDAMENTO TÉCNICO

novidades fechar
Receba o boletim da
Galeria da Arquitetura
veja um exemplo